Páginas

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

RESENHA DO LIVRO: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO? ALESSANDRO BEN



UNIVERSIDADE DE CUIABÁ
CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

 



RESENHA DO LIVRO: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO?

ALESSANDRO BEN





























Sorriso
2012/2
ALESSANDRO BEN









RESENHA DO LIVRO: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO?





Resenha Crítica apresentada ao curso de Ciências Contábeis da Universidade de Cuiabá, como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Ciências Contábeis, sob orientação do Prof. Esp. Jazon Pereira








Sorriso
2012/2
Sumário
                                                                                                                  






INTRODUÇÃO


Spencer Johnson, em seu livro Quem mexeu no meu queijo, traz refletida na visão de vida de dois ratos (Sniff e Scurry) e dois duendes (Hem e Haw) que á procura do queijo que simbolizam nossos objetivos de vida: trabalho, dinheiro, casa, família, estudo e outros procuram vencer dilemas que passamos na nossa vida diária, questões e possibilidades que causam medo e receio, oportunidades que levam a frente, mas que para isso é necessário darmos o passo inicial. Os ratos Sniff e Scurry retratam aqueles que são ativos e procuram reagir rapidamente a todas as mudanças que ocorrem no decorrer da vida, sejam elas demoradas ou repentinas sabendo adequá-las nos momentos corretos e estar sempre preparando pra eles e ainda conseguem ser bem sucedido. No caso do duende Haw, retrata aqueles que mesmo ocorrendo as mudanças repentina ainda demoram um pouco para aceita-las, mas mesmo assim a executa, não deixando para traz oportunidade e ou desafios que possa encontrar. Já no caso do duende Hem, são aqueles, que não são poucos, que não reagem as mudanças que ocorres, ficam se remoendo por dentro, do porque aquilo ocorreu e porque houve a mudança, não conseguindo adapta-se a nova realidade.














APRESENTAÇÃO


Os ratos Sniff e Scurry e os duendes Hem e Haw, sempre estão a procura do queijo em um labirinto pelos seus corredores, quando encontravam o queijo sentiam-se felizes e tranqüilos porque tinham aquilo que queriam. Quando o queijo acabava eles partiam pelos corredores do labirinto a procura de mais e mais queijo, nunca paravam, mesmo às vezes se perdendo no labirinto, davam meia volta e continuavam sua procura. Em um dia de busca encontraram no Posto C uma grande quantidade de queijo que eles nunca haviam visto antes, era o que eles estavam procurando por todo o tempo. Os ratos mesmo sabendo que o queijo era muito, mantiveram-se alertas e sempre preparados para alguma mudança que poderia ocorrer. Já os duendes mudaram-se para próximo daquele posto e se acomodaram deixando de lado as preocupações, faziam daquele local o ponto mais importando para suas vidas, deixaram de se preocupar com o resto. Os ratos todos os dias iam para o Posto C preparados sabendo que uma hora o queijo não estaria mais lá, os duendes continuavam a não se preocupar, mesmo sabendo que o queijo poderia não estar mais lá no dia seguinte.
O tempo foi passando e num dos dias eles chegaram ao Posto C e o queijo não estava mais lá. Os ratos Sniff e Scurry que sempre estiveram preparados para possíveis mudanças, notaram que o queijo havia a algum tempo se esgotando, e não ficaram surpresos quando chegaram e não viram mais o queijo. Eles pegaram suas coisas e partem a procura de um novo queijo pelos corredores do labirinto. Quando Hem e Haw vêem que o queijo não está mais lá, começaram a gritar, cadê o queijo? Quem Mexeu no meu queijo? Eles não haviam percebido que com o tempo que eles iam comendo o queijo, o queijo ia diminuindo até acabar. Ao invés de seguirem em frente pelo labirinto a procura de um novo queijo eles ficaram se queixando do porque aquilo havia acontecido com eles e que iriam esperar até o queijo votar ou ser devolvido por quem o pegou.
A situação que eles estavam vivendo mudou drasticamente de agradável para preocupante. Enquanto Hem e Haw aguardavam estáticos o seu queijo no Posto C, Sniff e Scurry seguiam em frente pelos labirintos, às vezes achando apenas migalhas as vezes apenas becos sem-saída, dando a volta e seguindo sempre em frente. Em um dos dias de procura, chegaram ao posto N e encontraram uma quantidade de queijo que nunca haviam visto antes, e se saciaram pois sabiam que teriam queijo para muito tempo, porem sempre mantinham-se alertas, observando ao redor o queijo. Enquanto no Posto C os dois duendes estavam lá aguardando o retorno do queijo, que ele surgisse novamente, pois eles haviam feito muitas expectativas no queijo. Com o tempo porém, no meio da reclamação do sumiço do queijo, Haw começou a cair em si, pois já estava fraco sem comida e imaginando que os ratos pudessem ter encontrado comida, mais queijo, começa a nascer nele o sentimento de explorar o corredor do labirinto para achar queijo também.
O duende Hem, estava cada vez mais desanimado pois o queijo não reaparecia, e desanimava Haw nas suas tentativas de sair para procurar mais queijo, argumentando de que eles deveriam esperar que uma hora quem tinha mexido no queijo, traria o mesmo de volta. Haw pensando em como os ratos poderiam ter se saído bem a procura de um novo queijo, pegou e saiu sozinho a procura de queijo pelo labirinto, já que Hem não quis ir junto com ele. Andando pelos corredores ele encontra cada vez mais migalhas e vai se desapegando do medo de deixar a tranqüilidade à procura de novos desafios e acredita mais em si mesmo. Em um dos corredores ele segue em frente e de repente encontra uma montanha de todos os melhores queijos, e para a sua surpresa os ratos Sniff e Scurry estão lá, já gordos e saciados com o tanto de queijo que haviam encontrado. Haw pensa em que situação seu amigo se encontra, se ele mudou sua opinião, se ele tirou coragem para seguir em frente pelo labirinto, porém não segue a ajudá-lo, pois havia tentado diversas vezes sem sucesso. Seria uma questão de ele abrir a mente e querer ir atrás do novo e aceitar as mudanças.








CONCLUSAO


Para todas as situações da vida deve-se estar preparado para mudanças, faz-se necessário para a sobrevivência. Não se acomodar como no caso de Hem e de Haw, mas manter-se sempre alertas as mudanças que podem ocorrer como os ratos Sniff e Scurry. As mudanças existem e são maiores a cada dia, para isso, alcançar os objetivos e interpretar como funciona o sistema a procura sempre de desenvolvimento e crescimento é uma necessidade que é preciso adquirir e sempre adaptar-se ao novo e a imprevistos, as coisas muda, o sistema muda e também é necessário mudança.






REFERENCIAS:


Quem mexeu no meu Queijo? Spencer Johnson, 1ª ed. tradução de Maria Clara de Biase. – 4ª tiragem – Rio de Janeiro: Record, 2000







Nenhum comentário:

Postar um comentário