Páginas

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO “O MONGE E O EXECUTIVO” RALF DE SOUZA FREIRE



Universidade de Cuiabá
Curso de Ciências Contábeis

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO “O MONGE E O EXECUTIVO”
RALF DE SOUZA FREIRE

















Sorriso
2012/2
RALF DE SOUZA FREIRE












RESENHA CRÍTICA DO LIVRO “O MONGE E O EXECUTIVO”



Resenha crítica apresentada ao curso de Ciências Contábeis da Universidade de Cuiabá, como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Ciências Contábeis sob orientação do Prof. Esp. Jazon Pereira.











Sorriso
2012/2

APRESENTAÇÃO

O Autor

James C. Hunter é palestrante, professor e escritor. Consultor-Chefe há 20 anos da J.D. Hunter Associados, uma empresa de consultoria e treinamento. Com os seus ensinamentos, tem criado uma nova cultura do que é verdadeiramente a Liderança com a importância da espiritualidade e da humanização. Hunter é muito solicitado como palestrante, na área de Liderança. Seus clientes incluem algumas das mais admiradas empresas do mundo, como Nestlé, American Express, Procter&Gamble, entre outros. O Autor escreveu vários livros de destaque como “Como se Tornar um Líder Servidor” e “O Monge e o Executivo”.

O Monge e o Executivo

Trata-se de um livro cujo tema principal é a Liderança.
Sucesso de vendas e público, seu livro é considerado um dos maiores e melhores fenômenos da literatura de negócios dos últimos anos, foi traduzido em 9 línguas, com mais de 3 milhões de cópias vendidas. Foi lançado nos Estados Unidos em 1998 com 187 páginas, onde vendeu 200.000 cópias. No Brasil, foi traduzido pela Prof. Maria da Conceição Fornos de Magalhães e lançado em 2004 pela Sextante, com 144 páginas. Vendeu 2,4 milhões de cópias, tornando-se o maior sucesso de vendas da Editora. Atualmente, o livro inspira inclusive peças teatrais adaptadas.



Resenha Crítica

O livro nos mostra a história de um executivo que aparentemente tem tudo o que um profissional bem sucedido pode almejar: sucesso, respeito, estabilidade financeira, notoriedade, dentre outros.
O lado profissional era tido com tamanha ênfase que os demais setores da vida de John Daily era visto apenas como detalhes. Para ele, o sucesso profissional era sinônimo de sucesso na vida. Com esta trave nos olhos John se deparou com algumas situações que o fizeram rever todos os seu conceitos; tanto profissional quanto familiar. Apareceram problemas no trabalho após um movimento sindical, que mesmo vencido por Daily, deixou sua reputação estremecida entre seus funcionários e a própria direção da empresa. Surgiram problema na ordem familiar, com a insatisfação de sua esposa, a desobediência de seu filho e o distanciamento de sua filha.
Sua sábia esposa então sugeriu uma conversa com o Pastor de sua Igreja que o indicou a participar de um retiro espiritual. Esta tempestade que alcançou a vida do dirigente o levou a mudar de postura, e com medo de perder seu emprego e sua família, se viu forçado a aceitar este desafio, impulsionado também pela curiosidade de encontrar outro bem sucedido ex-executivo Len Hoffman.
Num Mosteiro humilde perto do lago Michigan, John foi recebido por Padres e Irmãos que o acomodaram e divulgaram a programação da estadia. Nesta programação informava que Len Hoffman seria responsável pelo curso de Liderança e que no Mosteiro João da Cruz, o ex-executivo tinha o nome de Simeão, deixando John transtornado pois tratava-se do nome que sempre o “perseguia” em seu Sonhos.
“Ache Simeão e ouça-o!” (HUNTER, James C, O Monge e o Executivo).
Durante sete dias, John foi instruído sobre a Essência da Liderança, como o ouvir é importante, mas do que falar e que bons exemplos, postura e comportamento são primordiais ao bom Líder. Esta mudança se dá na revista de velhos paradigmas, no seguir o modelo deixado pelo Maior Líder de todos os tempos – Jesus Cristo, na utilização do Amor Ágape, no  fornecimento de um ambiente de trabalho saudável, ter consciência e responsabilidade de nossas escolhas e encontrar a recompensa da Alegria.
“Liderança: É a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum.” (HUNTER, James C. O Monge e o Executivo. 2004. Ed. Sextante. São Paulo).



CONCLUSÃO

Evidentemente nem tudo é dinheiro e bens materiais. O Sucesso profissional nos traz tudo isso mas também pode trazer a arrogância. Com ela instalada, perdemos o foco e os detalhes do dia a dia. E para recuperar tais detalhes, que fazem A diferença, precisamos de humildade.
Somos os Líderes de nossa vida. Como lideraremos a própria vida se temos visão limitada, se eu próprio não me seguiria?
Primeiramente tem que ter humildade para reconhecer não estamos no caminho certo. Se arrepender e escolher “ser a mudança que desejamos ver no mundo” (Mahatma Gandhi). Rever nossos conceitos e buscar novas fontes de aprendizagem, principalmente nos baseando em Jesus Cristo, que foi, é e sempre será o maior Líder de todos os tempos.
O Livro é fantástico, cativante e motivante. O Capítulo que mais me chamou atenção foi o do modelo deixado por Jesus Cristo porque falar de certeza e verdades.
Devemos priorizar as coisas simples e gratuitas. Devemos valorizar nossa família que é o maior dos Tesouros. Mudar nosso comportamento para melhor. Melhorar nosso caráter.
Após aprendermos a liderar nossa própria vida, nossa família, o resultado (recompensa) é uma liderança natural e sucesso efetivo e pleno nas áreas profissional e familiar.
“Pensamentos viram ações, ações viram hábitos, hábitos viram o caráter. E o caráter vira o seu destino.” (Hunter, James C.).



REFERÊNCIAS

HUNTER, James C. O Monge e o Executivo. 2004. Ed. Sextante. São Paulo

<HTTP://www.omongeeoexecutivo.com.br/site/>. Acesso em: 09 set. 2012.

<HTTP://www.jameshunter.com.br/index.html>. Acesso em: 09 set. 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário